Curso de Extensão em Psicocardiologia por EAD

 

Período: 2 de janeiro à  7 de abril de 2017

 

Inscrições: até 26 de dezembro de 2016

 

O objetivo do curso é instrumentalizar profissionais da área da saúde na prevenção primária, prevenção secundária e na reabilitação de pacientes com doenças cardiovasculares através de uma perspectiva biopsicossocial e espiritual.

 

O curso será oferecido em 14 semanas com 4 horas semanais.

 

As horas presenciais estão distribuídas em 4 encontros.

 

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR A PROGRAMAÇÃO

 

 

Introdução:

 

As doenças cardiovasculares são consideradas as enfermidades de maior impacto sobre a qualidade de vida do indivíduo (Wilson Oliveira, 2005). O coração é um  órgão vital, considerado a morada das emoções,que o processo do adoecer tem capacidade de fragilizar o individuo de uma forma impar. A interpretação que o paciente com cardiopatia dá a sua doença é diferente de quando a enfermidade localiza-se em outros órgãos, mesmo que tenha maior gravidade. Seu coração é trazido para o médico como o que possui de mais valioso em sua vida.

 

A psicocardiologia faz parte da psicologia da saúde que investiga e trata os fatores de riscos psicológicos que favorecem o surgimento e o desenvolvimento da enfermidade cardiovascular. Sendo a saúde considerada como um processo dinâmico de desenvolvimento em quatro níveis: físico, psíquico, social e espiritual precisamos considerar também a ansiedade, a depressão, a negação da enfermidade, o medo da morte como emoções negativas associadas ao desenvolvimento da doença. Segundo Calatayud e cols (1999), a psicologia da saúde recebe, modula e supera as experiências de outros modelos teóricos práticos, psicológicos e sociais, que abordam as enfermidades.

 

Fisiologicamente, o comando da vida física e a modulação do comportamento estão centralizados no cérebro, mas é o coração que simboliza o sofrimento humano, o amor, o ódio, a alegria e a tristeza, a coragem e o medo (Oliveira, 2003).

 

A reverência humana pelo coração não tem limites: não só o colocou como a sede da vida e do calor corporal como a sede dos sentimentos, talvez por que o mais notório ato relacionado à emoção seja o aumento do seu pulsar.

 

Trigo,M. e cols (2005) referem que a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu a saúde como um estado dinâmico de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença. Em 1998, passou a incluir o termo “espiritual” ao seu conceito de ser humano, que passou a ser  biopsicossocial e espiritual (OMS, 1986-1998). A definição da OMS substituiu a antiga idéia de que apenas os aspectos biológicos eram considerados e a saúde era vista em termos negativos, como uma ausência das funções orgânicas. Saúde e doença atualmente se apresentam como um par, constituindo a identidade das pessoas, organizando sua vida cotidiana, individual, familiar e social. Para tanto é necessário que se pense em um processo dinâmico de desenvolvimento em quatro níveis: físico, psíquico, social e espiritual.

 

Pichon Rivière (1983) define saúde e doença como adaptação ativa ou passiva à realidade. Com o termo adaptação, referimo-nos à adequação ou inadequação, coerência ou incoerência da resposta às exigências do meio, à conexão operativa e inoperante do sujeito com a realidade, ou seja, que os critérios de saúde e de doença, de normalidade e de anormalidade, não são absolutos, mas situacionais e relativos. A doença implica numa perturbação do processo de aprendizagem da realidade, num déficit no circuito da comunicação, processos estes (aprendizagem e comunicação) que se realimentam mutuamente.

 

O sujeito é sadio na medida em que apreende a realidade numa perspectiva integradora, em sucessivas tentativas de totalização, e em que tem capacidade para transformá-la, modificando-se por sua vez ele próprio. O sujeito é sadio na medida em que mantém um interjogo dialético no meio, e não uma relação passiva, rígida e esteriotipada.

 

Engel (1977) propõe um modelo que se apóia na concepção de que em todos estados do processo saúde-enfermidade coexistem fatores biológicos, psicológicos, sociais e espirituais implicados. Esse modelo já não pensa na pessoa dividida, como uma mente que governa uma máquina, o corpo. Nesse modelo já não é o corpo o que enferma, é o ser humano em sua totalidade uma unidade biopsicossocial e espiritual.

 

Desde uma perspectiva biopsicossocial e espiritual, a enfermidade coronariana é o resultado de um conjunto de fatores biológicos, psicológicos, sociais, culturais e espirituais que se interrelacionam de modo complexo e único em cada pessoa.

 

Assim a psicocardiologia que é baseada num enfoque interdisciplinar, surgiu do contato cotidiano com o paciente coronariano, o paciente é o que nos mostra a necessidade de uma abordagem psicocardiológica, é quem nos dá o sinal do seu padecer, suas reações ante o estresse, seu tipo de conduta, suas emoções (Laham, 2006).

 

A diminuição da mortalidade por cardiopatia isquêmica, por exemplo, não só se faz com melhores equipes de saúde, mas também graças ao conhecimento e detecção dos fatores tradicionais de risco coronário e a campanhas de informação popular sobre o controle dos mesmos, tais como tabagismo, o colesterol elevado, a hipertensão e diabete. Podemos supor que alguns indivíduos estão protegidos das conseqüências adversas dos fatores de risco tradicionais por um efeito positivo do suporte social (Laham 2001).

 

Neste contexto, possuimos o objetivo de instrumentalizar profissionais da área da saúde na prevenção primária, prevenção secundária e na reabilitação de pacientes com doenças cardiovasculares através de uma perspectiva biopsicossocial e espiritual.

 

Esse curso foi proposto pela nossa equipe e está sendo realizado, na modalidade da Educação à Distância (EAD).

 

 

Objetivo Geral:

 

Instrumentalizar profissionais da área da saúde na prevenção primária, prevenção secundária e na reabilitação de pacientes coronarianos, através de uma perspectiva biopsicossocial e espiritual.

 

 

Objetivos Específicos:

 

– Aprofundar a temática da psicocardiologia através do ensino à distância com dinâmicas e intervenções onde se utilizará o referencial teórico da psicologia e da cardiologia, que servirá de embasamento para a aprendizagem dos conteúdos propostos pelo curso;

– Estimular a discussão, o questionamento, à crítica, a pesquisa e a criação de artigos sobre os assuntos trabalhados no curso;

– Capacitar profissionais da área da saúde com conhecimentos necessários a prevenção primária, secundária e na reabilitação do paciento coronariano, através de uma perspectiva biopsicossocial e espiritual.

 

 

Público alvo:

 

Profissionais e estudantes da área da saúde de nível superior e demais interessados que pretendem obter informações básicas sobre a psicocardiologia e do seu âmbito, os fatores de risco para doença coronariana e as intervenções na prevenção e reabilitação.

 

 

Justificativa:

Buscando dar suporte aos estudos feitos, respondendo ao levantamento de necessidades dos fatores de risco psicológicos, que favorecem a aparição e o desenvolvimento da doença cardiovascular e em especial da cardiopatia coronariana, desenvolvemos um programa baseado no ensino à distância enfatizando o “como escutar o coração,” destinado à profissionais médicos, psicólogos e outros especialistas da área interessados nas últimas investigações e técnicas de prevenção, primária e secundária da cardiopatia coronariana aterosclerótica.

 

 

Metodologia:

 

 

O curso de ensino à distância de psicocardiologia será desenvolvido por profissionais que terão como objetivo a construção do conhecimento, promovendo o processo de aprendizagem através da compreensão entre a relação do homem com o mundo e da sua ação transformadora através de uma metodologia de trabalho visando uma permanente investigação e problematização da realidade, através da leitura de artigos, textos e de subsídios trazidos pela nossa equipe,  sobre  a psicologia e a interface com a cardiologia (Pichon-Rivière, 1980). O curso será embasado num modelo que tem como proposta um esquema referencial onde a equipe se propõe a uma tarefa e se articula de maneira explicita e implícita, através de papéis por elas concebidos ou adjudicados e de seus referenciais de vida. Esse modelo de Construção do Conhecimento foi baseado numa experiência desenvolvida no ano de 1999 chamada “Cogitare” (Lemos, 2000).

 

A abordagem pedagógica do processo de ensino aprendizagem envolve conceitos cognitivos (Jean Piaget), interacionista (Paulo Freire) e de complexidade (Edgar Morin) na medida em que considera a pessoa como um sistema aberto em reconstrução sucessiva, em busca de um estágio psicológico sempre incompleto e incerto.

 

Esse processo de desenvolvimento envolve a ordem e a desordem, é progressiva, adapta e transforma o homem e o meio onde está inserido (Morin, 2001).

 

O curso será oferecido em 14 semanas de 4 horas semanais, totalizando 56 horas.

 

As horas presenciais estão distribuídas em 1 encontro, realizado por nossa equipe, ao final do curso.

 

As aulas à distância serão realizadas através do ambiente virtual, priorizando atividades assíncronas. As atividades realizadas no ambiente virtual serão acompanhadas pelos professores.

 

 

Carga-horária:

 

Total de horas do curso 56 h.

 

 

Corpo Docente:

 

Profª. Conceição Maria de Lemos

Profª. Rosa Cecilia Pietrobon

Profª .Leila Ortiz

Profª Julia Lorenzon dos Santos

Profª Rosane Nery

Profª Juliana Bertoletti

 

 

Valores do Curso:

 

Inscrição até o dia 26 de dezembro: R$ 100,00

Para fazer sua inscrição, clique no botão do Pagseguro abaixo.

 

Valores mensais – R$ 280,00 cada parcela por 3 meses + R$ 140,00 ( 4° mês por ser somente 15 dias de aula)

 

Valor total do Curso: R$ 980,00